Resenha: Os dois, nós três -Jacinto Júnior



Sinopse:Um acabou de se mudar de Santa Catarina para Fortaleza, ama literatura e é filho de advogados. Ela é a mais centrada, filha de uma psicóloga, queria se dedicar unicamente ao vestibular para passar em Medicina. O outro ainda não sabe bem o que quer para o futuro, é louco por música e superansioso. Embora pareçam histórias distintas de adolescentes, os três têm algo importante em comum: cada um está completamente apaixonado pelos outros dois. 
O que você faria se descobrisse estar apaixonado por seus dois melhores amigos? “Os dois, nós três” é um romance narrado por três grandes amigos — Amanda, Douglas e Lucas —, que, em meio a uma amizade peculiar e intensa, acabam descobrindo novos sentimentos uns pelos outros, e, embora lutem contra isso, deixam-se levar pela paixão e seus prazeres, começando, assim, um romance poliamoroso. Mas o amor, muitas vezes, não basta para se sustentar em um mundo cheio de preconceitos. Num romance secreto e intenso, os três vão tentar enfrentar as dificuldades de se ter um relacionamento poliafetivo, como viver em segredo ou enfrentar a fúria dos familiares, os quais farão de tudo para separá-los, sem ideia de que uma coisa é mais importante do que todos os tabus: o amor existente entre os três.

Pensem naquele livro em que você mal sabe o que falar, apenas o que sentir. Aquele tiro de livro no seu coração, completamente inovador: "Os dois, nós três" é esse tipo de livro. Começa tranquilo. Leve. E vai se desenrolando, a escrita de Jacinto é impressionante, nós, em um todo, nos sentimos dentro da história, conseguimos encarar cada parte de um personagem.

Os personagens são extremamente bem construídos, conseguimos conhece-los, e vemos que eles são que nem todos, eles erram, mas apesar de tudo, os três tem suas almas livres e intensas, assim como alguns outros personagens.

No começo, vemos o romance chegar. Ainda é um tempo de descobertas para eles, ainda estão descobrindo o amor que eles sentem um pelo outro, e só de ler, nós já conseguimos sentir suas conexões, a escrita de Jacinto transmite as emoções.

E então eles descobrem, descobrem uma nova forma do amor, a forma deles amarem, e então passamos a ver os obstáculos que eles enfrentam, eles querem sentir aquele amor, no começo, vemos um pouco de hesitação, mas depois, pedaço a pedaço, eles começam a se entregar a aquilo, que até então era desconhecido para todos os três.

Aquilo vai se desenvolvendo, há muitas dúvidas nas cabeças deles, muitas vezes, se vêem oprimidos pelo mundo, afinal, aquilo era errado? Muitas vezes, eles se vêem sem esperanças.

Vemos recaídas, mas depois esperanças surgirem, a escrita de Jacinto nos prende do começo ao fim, e nos faz ter uma paixão pela história, nos apegar aos personagens, quem tem dramas reais, mas que ao mesmo tempo, tem uma força inacreditável.

Dá para sentir o amor, e eu acho incrível isso de uma só escrita transmitir tantos sentimentos, motivo esse para o livro ter sido uma das minhas melhores leituras de 2018, e, com certeza, é extremamente inovadora a história, instigante e apaixonante. Anseio de ler mais desse autor.

||Avaliação: 📕📕📕📕📕 (5/5)

Um comentário:

  1. Que resenha linda!
    Fico muitíssimo contente que tenha gostado dos meus três!
    Obrigado pela resenha maravilhosa! Foi um prazer te acompanhar lendo meu primeiro romance!
    Obrigado, de verdade!

    S2

    ResponderExcluir